Nesta terça-feira, 11, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) publicou o resultado do Edital nº 1/2017, referente à Cátedra Celso Furtado – St. John’s College. O programa concede bolsa a notável pesquisador e professor sênior do Brasil, especialista em história e humanidades brasileiras, para estágio de até 12 meses na Universidade de Cambridge, na Inglaterra.
A Capes pagará ao selecionado uma bolsa no valor de 3,5 mil libras nos meses de efetiva permanência no Reino Unido. No primeiro e último meses, o valor da mensalidade será concedido proporcionalmente ao período de permanência no país de destino. Os benefícios pagos pela Capes incluem auxílios para deslocamento e instalação e seguro-saúde.

Pela instituição anfitriã, o pesquisador será beneficiado com acesso às instalações e serviços da universidade normalmente fornecidos a acadêmicos visitantes: espaço de escritório e conexão à internet, laboratórios e equipamentos, bibliotecas e qualquer outra cortesia ou comodidade; custo de matrícula na faculdade; e alojamento residencial para uma pessoa solteira. Bolsistas acompanhados pela família recebem da faculdade o valor de 590 libras mensais para despesas com alojamento em Cambridge.

Pesquisador – Economista, jornalista e gestor público, o paraibano Celso Monteiro Furtado (1920-2004) é considerado um dos intelectuais brasileiros mais relevantes do século 20. Bacharel em direito pela Faculdade Nacional de Direito (1944) e doutor em economia pela Universidade de Paris/Sorbonne (1948), foi pesquisador fellow do King's College (1973). Celso Furtado apresentou uma nova perspectiva sobre o desenvolvimento a partir do estudo histórico da dependência econômica do regime capitalista.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Furtado integrou a Força Expedicionária Brasileira na Itália. O intelectual foi também diretor da Divisão de Desenvolvimento da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) e elaborou o Plano de Desenvolvimento do Nordeste. O plano originou a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), órgão que Furtado dirigiu de 1960 a 1964. Em 1962, foi o primeiro titular do recém-criado Ministério do Planejamento.

Perseguido pela ditadura militar instaurada em 1964, Furtado partiu para o exílio no exterior e ocupou vários cargos como pesquisador e professor no Chile, Estados Unidos, França e Inglaterra. Com a redemocratização, em 1985, o pensador voltou a ocupar cargos estatais. Em de agosto de 1997, ocupou a cadeira 11 da Academia Brasileira de Letras, sucedendo a Darcy Ribeiro. Em 2003, tornou-se membro da Academia Brasileira de Ciências.

Acesse o resultado da seleção e veja mais informações sobre a Cátedra Celso Furtado no Edital nº 1/2017 da Capes.

MEC Assessoria de Comunicação Social, com informações da Capes
Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn