Ciência e Tecnologia

Pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) descobriram um novo vírus em ave migratória. O achado é tão raro que pode até ser considerado um golpe de sorte. Sobretudo quando o vírus em questão é o assim nomeado paramixovírus aviário 15, da mesma família do paramixovírus aviário 1 causador da doença de Newcastle, que não representa riscos para humanos, mas pode ser letal em aves.

Os raios gama poderão ser estudados, em breve, com precisão sem precedentes. Um consórcio composto por mais de 1.350 cientistas e engenheiros de 32 países, incluindo o Brasil, pretende construir até 2022 o Cherenkov Telescope Array (CTA), o maior observatório terrestre voltado a estudar essas partículas de luz (fótons) de altíssimas energias vindas do espaço. Apesar da busca de mais de um século, ainda pouco se sabe sobre essas partículas de luz, suas fontes e o papel que desempenham em nossa galáxia e além dela.

O presidente da FAPESP, José Goldemberg, defendeu a realização no Brasil de uma reunião de chefes de estado dos principais países emissores de gases estufa, para “reafirmar o que se avançou em 1992 no Rio de Janeiro e em Paris em 2015”. “Essa seria uma forma de o Brasil voltar a assumir uma posição de liderança na área, como ocupou em 1992”, disse em sessão da Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC) no Senado Federal no dia 12 de junho.

Os números continuam alarmantes. Mas o fato é que, mesmo que esteja longe de ser boa, a qualidade do ar na Grande São Paulo melhorou nos últimos 30 anos graças, principalmente, ao controle de emissões. Foi o que constatou a revisão da qualidade do ar na megalópole de São Paulo, publicada na revista Atmospheric Environment. O estudo é um resumo dos resultados alcançados no Projeto Temático Narrowing the uncertainties on aerosol and climate changes in São Paulo State: Nuance-SPS, que recebeu apoio da FAPESP até a sua conclusão em 2016.

O atrito é um fenômeno praticamente onipresente na vida cotidiana. O ato de caminhar só é possível devido ao atrito entre os pés (ou calçados) e o solo; o sentido do tato depende do atrito entre as mãos (ou demais partes do corpo) e os objetos; e muitos outros exemplos poderiam ser evocados. O estudo macroscópico do atrito remonta a Leonardo da Vinci (1452 – 1519). O polivalente gênio renascentista estabeleceu a “lei natural” que, em linguagem matemática contemporânea, pode ser escrita como F = μ.N, na qual F é a força de atrito entre duas superfícies deslizantes; μ, o chamado coeficiente de atrito; e N, a força normal entre as mesmas superfícies.

Células SolaresUm estudo da PUCRS em parceria com a Eletrosul produziu células solares com a maior eficiência do Brasil, 17,3%, e de forma totalmente industrial. Intitulado Desenvolvimento de Processos Industriais para Fabricação de Células Solares com Pasta de Alumínio e Passivação, o estudo comprovou que é possível a produção de mais potência elétrica com a mesma quantidade de silício.

cana açucarCom mais de 7 milhões de hectares plantados e uma produção anual de 480 milhões de toneladas, o Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar e líder em tecnologia de etanol, conforme informações veiculadas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). No entanto, apesar da importância do produto na economia brasileira e de todo o esforço de pesquisa já direcionado ao setor, a evolução do genoma da cana-de-açúcar constituiu, até recentemente, um tema pouco entendido. Um novo estudo veio trazer substantiva contribuição ao seu esclarecimento.

A digestão dos alimentos começa com a mastigação e a ação da saliva. Além de facilitar a digestão, a saliva tem em sua composição substâncias antimicrobianas que agem no combate a microrganismos que podem causar doenças na boca, entre elas a cárie. Um destes agentes químicos é a betadefensina (DEFB1), um peptídeo antimicrobiano produzido a partir de informações transmitidas pelos microRNAs associados ao gene que dá origem ao peptídeo – o microRNA constitui uma classe de RNA não recombinante com papel fundamental na regulação da expressão gênica.

O nível do mar na costa brasileira tende a aumentar nas próximas décadas. No Brasil, contudo, onde mais de 60% da população vive em cidades costeiras, não há um estudo integrado da vulnerabilidade dos municípios litorâneos a este e a outros impactos decorrentes das mudanças climáticas, como o aumento da frequência e da intensidade de chuvas. Um estudo desse gênero possibilitaria estimar os danos sociais, econômicos e ambientais e elaborar um plano de ação com o intuito de implementar medidas adaptativas.

Ao analisar duas amostras de macacos mortos em fevereiro deste ano, trazidas do Espírito Santo, os pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) fizeram avanços importantes sobre o atual surto de febre amarela no País. Fazendo o sequenciamento completo do genoma das amostras, constataram que, apesar de os microrganismos encontrados pertencerem ao subtipo genético conhecido como linhagem Sul Americana 1E e predominante no País desde 2008, havia variações em sequências genéticas associadas a proteínas envolvidas na replicação viral.

Os mecanismos celulares e de expressão gênica que levam à má-formação da mandíbula, traço mais característico da síndrome de Richieri-Costa Pereira, acabam de ser esclarecidos. Pesquisadores do Centro de Pesquisa sobre o Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH-CEL) e da Duke University, nos Estados Unidos, descobriram que nos casos da síndrome ocorrem problemas no processo de migração e diferenciação celular durante a formação do crânio e face, processos que ocorrem no primeiro trimestre de gestação humana.