Ciência e Tecnologia

nobel-chimica-2010O Prêmio Nobel de Química de 2010 foi concedido a dois cientistas japoneses e um norte-americano pelo desenvolvimento das chamadas reações de acoplamento catalisadas por paládio, uma ferramenta fundamental para a síntese orgânica de moléculas complexas, hoje amplamente usadas em áreas tão diversas como a medicina, a agricultura e a eletroeletrônica. Por estudos iniciados há mais de 40 anos nesse campo, Akira Suzuki (80 anos), professor emérito da Universidade de Hokkaido, Ei-ichi Negishi (75), professor de química da Universidade Purdue, e Richard F. Heck (79), professor emérito da Universidade de Delaware, dividirão o prêmio de 10 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 2,5 milhões), concedidos pela Academia Real de Ciências da Suécia.

nobel-fisica-2010Andre Geim, 51 anos, e Konstantin Novoselov, 36, professores na Universidade de Manchester, no Reino Unido, foram anunciados nesta terça-feira (5/10) como ganhadores do Prêmio Nobel de Física de 2010. De acordo com a Academia Real de Ciências da Suécia, a distinção se deve aos “experimentos inovadores com o material bidimensional grafeno”. Mais resistente do que o diamante, o grafeno é uma forma de carbono. Material altamente condutor, é considerado de enorme potencial para uso em computadores e em aparelhos eletrônicos.

Robert-EdwardsO inglês Robert G. Edwards, 85 anos, pioneiro da fertilização in vitro, é o ganhador do Prêmio Nobel de Medicina ou Fisiologia de 2010, segundo anúncio feito nesta segunda-feira (4/10) pelo comitê do prêmio no Instituto Karolinska, na Suécia. “Suas conquistas tornaram possível tratar a infertilidade humana, uma condição que atinge uma significativa proporção da humanidade, incluindo mais de 10% de todos os casais”, disse o comitê no anúncio do prêmio. Edwards desenvolveu, junto com Patrick Steptoe, o procedimento de inseminação artificial para o tratamento da infertilidade.

O geógrafo e professor francês Georges Bertrand, da Universidade de Toulouse, apresentou sua versão para a Teoria do Geossistema em conferência na Universidade de Brasília, nesta segunda-feira, 4 de outubro.  Segundo ele, o planeta Terra vive uma época de crise ambiental, catástrofes naturais, escassez de água e pandemias. “Não se trata de mero ‘catastrofismo’, é a realidade e os geógrafos precisam se envolver mais para reverter essa situação”, afirma. A Teoria do Geossistema, criada ainda no século XVIII, busca estudar a relação entre os diversos componentes naturais em uma determinada região.

O primeiro pinguim extinto com evidência de que tinha penas foi encontrado no Peru por um grupo internacional de pesquisadores. A descrição foi publicada na sexta-feira (1º/10) na edição on-line da revista Science. O fóssil analisado, com idade estimada de 36 milhões de anos, indica um pinguim gigante cujas penas teriam tido tons avermelhados de cinza e marrom, diferentes da configuração de traje a rigor, o branco e preto (ou marrom) dos pinguins atuais. O fóssil foi descoberto por Ali Altamirano, do Museu de História Natural em Lima.

O Núcleo Tecnológico de Energia Solar (NT-Solar) da Faculdade de Física desenvolveu e montou um forno completo para fabricação de células solares. É a primeira vez que o equipamento é construído no Brasil. Até então o Núcleo utilizava fornos importados dos EUA para a produção das células, que são os dispositivos base da energia solar fotovoltaica - forma de produção de energia elétrica que menos contamina o meio ambiente. A partir de agora, além de desenvolver e fabricar as células e módulos fotovoltaicos, o NT-Solar também produz o equipamento que torna possível sua produção.

Um novo estudo realizado por um grupo de cientistas brasileiros, com colaboração de colegas de outros países, acaba de trazer um novo avanço para a compreensão dos mecanismos de controle da expressão gênica do parasita causador da leishmaniose. A expressão gênica é o processo pelo qual a informação hereditária contida em um gene é transcrita no RNA, ou em proteínas, por exemplo. No novo estudo, o grupo investigou as alterações moleculares, bioquímicas e morfológicas observadas em um parasita mutante que teve sua virulência atenuada devido à superexpressão dos chamados miniéxons – ou spliced leader RNA –, curtas sequências de nucleotídeos que são adicionadas aos RNA mensageiros, tornando-os "maduros" e funcionais.

riverUma análise em escala global, que poderá auxiliar a identificar as áreas em que a disponibilidade de água para consumo estão mais ameaçadas no mundo, é o destaque na edição desta quinta-feira (30/9) da revista Nature. A pesquisa, feita por cientistas da Austrália, Estados Unidos, Alemanha e China, destaca as maiores ameaças tanto à segurança da água como à biodiversidade nos rios do planeta. Apesar de a água ser o mais essencial dos recursos naturais, os sistemas de água doce que podem ser usados para consumo humano estão fortemente ameaçados justamente pelo homem, principalmente pela poluição e também como resultado de processos como a urbanização, industrialização, irrigação e a construção de reservatórios.

Durante a década de 1990, houve uma redução na população de jacarés que habitava os pântanos da Flórida, nos Estados Unidos. Ao investigar o problema, cientistas perceberam que os machos da espécie tinham pênis menores do que o normal, além de apresentar baixos índices do hormônio masculino testosterona. Os estudos verificaram que as mudanças hormonais que estavam alterando o fenótipo dos animais e prejudicando sua reprodução foram desencadeadas por pesticidas clorados empregados em plantações naquela região.

O olho é revestido pela superfície mais especializada do corpo humano. Essa superfície é composta pelos epitélios da córnea, limbo e conjuntiva e necessita da lubrificação do filme lacrimal para manter sua função. No limbo residem células-tronco que regeneram o epitélio compacto e transparente da córnea. O epitélio, por sua vez, é considerado o tecido mais ricamente inervado do ser humano. Na conjuntiva residem células produtoras de mucina e células do sistema imune, fundamentais para a defesa do olho.

As plantas são tão ameaçadas pelo risco de extinção como os mamíferos, de acordo com uma análise global realizada por instituições europeias. O estudo revelou que uma em cada cinco espécies de plantas no mundo corre risco de extinção. A Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de Extinção, com os resultados da análise realizada pelo Royal Botanic Gardens de Kew e pelo Museu de História Natural de Londres, no Reino Unido, e pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), foi divulgada nesta terça-feira (28/9), na capital inglesa.