Ciência e Tecnologia

peopleEmoções básicas, como medo, raiva, vontade, controle e sensibilidade, em diferentes doses e combinadas, resultam nos diversos comportamentos. O jeito de ser pode levar a pessoa ao sofrimento, à apatia, aos vícios, à exposição aos riscos ou a uma vida saudável e ao sucesso. O Grupo de Pesquisa Bases Neurobiológicas e Tratamento de Transtornos Neuropsiquiátricos, do Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular da PUCRS, liderado pelo psiquiatra e professor Diogo Lara, realiza uma pesquisa pela internet que traça um mapa dos temperamentos. Até agora foram analisadas as respostas de 37 mil pessoas (70% de mulheres) e espera-se que outras 200 mil participem por meio do site www.temperamento.com.br.

Para quem tem ofidiofobia, a perspectiva de encontrar serpentes não no chão, rastejando, mas “voando” por sobre suas cabeças, está longe de ser das melhores. Mas é o que ocorre com algumas espécies encontradas no Sudeste Asiático, que são capazes de se deslocar pelo ar, de uma árvore a outra, ou das árvores para o solo. Cientistas da Virginia Tech, nos Estados Unidos, analisaram os mecanismos por trás da inusitada capacidade dessas espécies e apresentaram os resultados em encontro da American Physical Society Division of Fluid Dynamics (DFD), na Califórnia, nesta segunda-feira (22/11).

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) está desenvolvendo um novo produto farmacêutico para combater a malária. O sal híbrido Mefas é um insumo farmacêutico ativo (IFA) resultante da combinação de duas substâncias: artesunato e mefloquina. O novo fármaco está sendo desenvolvido em colaboração com o Centro de Pesquisa René Rachou (CPqRR) em Minas Gerais. Atualmente, o Farmanguinhos produz o ASMQ, formulação em dose fixa combinada de artesunato e mefloquina, que é indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para o tratamento da malária.

BiomassaA atual fronteira da obtenção do etanol está nas paredes celulares dos vegetais formadas por um polímero difícil de ser quebrado: a celulose. Desenvolver meios economicamente viáveis para decompor a celulose é fundamental para o etanol de segunda geração, que poderá aumentar a produção brasileira do biocombustível sem ter que alterar a extensão das plantações. Utilizar enzimas encontradas nos aparelhos digestivos de cupins e de animais ruminantes é um modo de decompor o polímero, assim como lançar mão de ácidos para provocar uma quebra química da estrutura.

Mesmo com o mundo em meio a uma importante crise econômica e financeira, as emissões de dióxido de carbono (CO2), principal personagem do aquecimento global, não caíram como se esperava. A conclusão está em um estudo feito por um grupo de pesquisadores do Reino Unido, Estados Unidos, Austrália e França e publicado neste domingo (21/11) como carta ao editor na revista Nature Geoscience. O texto é uma atualização anual do Global Carbon Project e destaca que as emissões de CO2 não dão sinais de que estejam caindo globalmente e poderão atingir um nível recorde em 2010.

faperj-19nov10Dados recentes divulgados pelo Ministério da Saúde apontam para o aumento do estado de alerta para a infestação do mosquito Aedes Aegypti, vetor da dengue, em diversos municípios fluminenses. Denominado Levantamento do Índice de Infestação Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa), esse monitoramento, feito por amostragem, é realizado periodicamente pelos municípios através da visita de agentes às residências e outros imóveis, originando o Índice de Infestação Predial (IIP), que representa o percentual de imóveis com a presença de criadouros com larvas do mosquito.

pianeta-1Um novo planeta acaba de ser descoberto próximo a uma estrela extragaláctica, o que implica que o próprio planeta não tem origem na Via Láctea. A descrição foi feita nesta quinta-feira (18/11) no site da revista Science. A estrela HIP 13044 está a 2 mil anos-luz da Terra na constelação do Forno. O grupo europeu responsável pela pesquisa identificou o planeta, denominado HIP 13044b, por meio de observações com um espectrógrafo de alta resolução instalado no telescópio MPG/ESO, que fica no Observatório de La Silla, no Chile. Nos últimos 15 anos, astrônomos detectaram quase 500 planetas em estrelas próximas, mas nenhum fora da Via Láctea. O novo estudo indica que o planeta, apesar de estar na galáxia, foi formado fora dela.

antimatterEm um experimento feito no Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern), um grupo internacional de cientistas conseguiu demonstrar que é possível prender e controlar a liberação de átomos de anti-hidrogênio – equivalentes na antimatéria aos átomos de hidrogênio. A novidade, descrita nesta quinta-feira (18/11) no site da revista Nature, abre o caminho para a realização de estudos precisos sobre as simetrias fundamentais da natureza. A antimatéria é composta de antipartículas da mesma maneira que a matéria normal é formada por partículas. A antimatéria foi prevista pela primeira vez em 1931, pelo físico inglês Paul Dirac (1902-1984), como tendo a carga oposta da matéria normal e sendo aniquilada completamente em um flash de energia após interagir com a matéria normal.

cosmeticsA indústria brasileira de cosméticos está perdendo mercado para empresas dos Estados Unidos, Japão e países da Europa por causa da proibição de venda de produtos que foram testados em animais. A medida começa a vigorar a partir de 2013 e pesquisadores brasileiros recomendam a criação de um centro onde possam ser realizados testes alternativos para esse segmento. Segundo a professora Silvya Stuchi Maria-Engler, do departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas (FBC) da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, a produção de medicamentos e cosméticos necessita de testes para avaliar a toxicidade e eficácia de novos princípios ativos e formulações.

furg_logoDuas dissertações de servidoras da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) defendidas no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Instituição apresentam resultados favoráveis para a técnica que utiliza células retiradas do próprio organismo na recuperação de lesões, as chamadas células progenitoras. O experimento utiliza células adultas e não embrionárias.

Conseguir dados mais abundantes e precisos de forma mais rápida e eficiente é uma necessidade fundamental para o avanço de vários ramos das ciências ambientais. Exatamente por isso, as pesquisas relacionadas ao meio ambiente são também uma oportunidade para estimular o desenvolvimento da ciência computacional. Esse foi o enfoque dado ao Workshop de Ciência Ambiental, promovido pelo Instituto Virtual de Pesquisas FAPESP-Microsoft Research na semana passada, na sede da Fundação. O evento reuniu um grupo de pesquisadores do Brasil e do exterior com o objetivo de identificar problemas de pesquisa na área ambiental que possam ser enfrentados com o desenvolvimento de novas tecnologias computacionais.